O Instituto Nova Era

O Instituto Nova Era

O Instituto Nova Era (INE) é uma Organização da Sociedade Civil (OSC), do Terceiro Setor, sediada em Ribeirão Preto/SP. A instituição desenvolve e fomenta projetos que vão de encontro a ações regenerativas e sintrópicas, partindo para uma transformação que se inicia com o desenvolvimento do indivíduo e o envolvimento do ser humano com a natureza.

Atualmente o INE alimenta ações concretas nas áreas da agricultura e meio ambiente, destacando a Agricultura Sintrópica e as técnicas agroflorestais como um importante elemento de transformação no campo. Apoiamos ainda projetos comunitários em meio a Floresta Amazônica, fazendo uso de metodologias colaborativas para o envolvimento e o empoderamento comunitário. Outro importante eixo institucional é a valorização da cultura, onde busca-se o fortalecimento das culturas imateriais locais, ancestrais, afro-brasileiras e de povos marginalizados.

Tendo em vista que a dinâmica entre o INE e as comunidades, povos e grupos seja através da construção de parcerias, é notório a importância de se pensar projetos com estruturas voltadas para o desenvolvimento sustentável e a autonomia local. Para tanto, construímos ações voltadas para as dimensões sociais, ecológicas, culturais e econômicas.

Nossos principais valores estão pautados na generosidade, o cuidado, a responsabilidade, a transparência e a cooperação.

 

Visão

Ser uma ferramenta de criação de processos e soluções para uma Nova Era.

Missão

Fomentar a regeneração social, cultural, ecológica e econômica em nível individual, comunitário e planetário.

 

Princípios (Valores)

O Instituto Nova Era considera sete princípios valiosos:

- Honrar os povos tradicionais e originários do Brasil, valorizando a cultura imaterial e seus territórios sagrados;

- Integrar o conhecimento tradicional ao moderno e científico, possibilitando a construção de conhecimentos que vão de encontro aos paradigmas atuais;

- Fomentar ações e pensamentos que estimulam a criação e a perpetuação da vida na Terra;

- Reconhecer na diversidade a grande potência da transformação;

- Democratizar oportunidades de apoio ao desenvolvimento de projetos colaborativos;

- Cuidar da terra como uma extensão de nós mesmos;

- Ser generoso com todas as formas de vida existentes.